sexta-feira, 28 de março de 2008

terça-feira, 25 de março de 2008

EX-CRISÁLIA...

QUE um dia uma crisália, sem maiores pretensões, sem maiores voos, sem maiores nada...um dia que passa como todos os outros hão de passar, e passarão...ex-crisália, em casulo próprio, tecido, fiado por mãos que escondem o rosto, escondiam...e agora asas pra quem nunca voou...e agora asas, coloridas que não te escondem mais de nada...e agora asas...uma imensidão de céu, uma infinidade de terras e agora...asas...sem depender de ti casulo, que me escondeste por tanto tempo, não mais mera crisália, agora ser com asas...mas voar pra onde, o que fazer se não batê-las...essas mãos que agora contra o vento e não mais no rosto, que infame se esconde nas nuvens...eu que já fui brilho em outros olhos e até arrepio...agora em asas que me levam pra longe, simplesmente porque quero...porque só se voa quando se tem asas...porque só se voa quando se quer sair do lugar...já teci pra ti, em frases e elogios e cada vez mais fraco o fio da meada...não mais meu céu, vou indo por outros ventos que não me sopras mais...ex-crisália, agora com asas, que me levam pra dentro de mim, quando mais estava em ti...

segunda-feira, 24 de março de 2008

PENSAR faz tão bem...
que a maioria avassaladora dos mau-humorados sequer
pensa nisso
...
medo de um bem maior
...

terça-feira, 18 de março de 2008

HOJE...

HOJE COMEÇA O FRIO... que invade o corpo, que entra pela espinha e se concentra na barriga...em todo ventre...este frio que não se quer, mas nunca se despreza...este frio que nos lembra de que somos feitos...nos lembra que vai dar tudo certo, pois só depende do que fazemos, do que pensamos...este frio que não vem de nós, mas nos contém...hoje o frio começa...e este frio só passa no dia de amanhã...ele vai e volta...e em dias como os de amanhã...eu espero que seja sempre assim...

sexta-feira, 14 de março de 2008

as vezes eu tenho a impressão de que nada vai acontecer...
as vezes eu tenho essa impressão...

quarta-feira, 12 de março de 2008

sorte...

SORTE mesmo em dias de chuva
...isso se chama sorte...

DA PRÓXIMA

da próxima vez
vou fingir que não
mentirei que não sei
vou dizer que nunca te vi

e se meu passo for de encontro
vou imaginar que te devo uns contos
vou fugir de ti
vou mentir que nunca te conheci

vou dizer que não soube da última
vou gritar que a penúltima nunca existiu
sairei deste mundo que te pertence
vou apagar tudo o que te escrevi

da próxima vez
se eu virar a esquina
e der com sua cara estampada
vou fingir que não houve nada

vou mentir um pouco pra ti
já que de mentira em mentira sempre fui levada
vou pensar ser outra pessoa
daquelas que não gostam de ti

sexta-feira, 7 de março de 2008

VOTOS DEVOTADOS...

QUEBREI
QUEBREI
QUEBREI
RASGUEI
QUEBREI
QUEBREI o voto de silêncio, que prometi a ti nada dizer. estilhaçou-se em milhões de pedaços, como cristal quebrado. cristal espedaçado, que se transforma em chuva de inúmeras estrelas cristalizadas, num chão de terra...sob um céu azulado.
QUEBREI o voto de silêncio com algumas palavras incisivas, que me cortaram os pulsos, que a jugular te cortaram. meras palavras jogadas neste tabuleiro xadrez...no qual não se joga nada, apenas as meras palavras. morreremos todos por nossos cortes, mas morreremos apenas uma vez...
QUEBREI o silêncio devotado com um sorriso...que há tanto estava aberto que se tornou amarelado...não sei se em dias como os nossos é sensato sorrir...sensato não seria sorrir sem estar ao seu lado.
RASGUEI essa pausa silênciosa, com caninos afiados, com palavras amoladas, rasgando com os dentes e ainda assim sorrindo e ainda assim quebrando e rasgando esse silêncio já tão dilacerado.
QUEBREI o voto de silêncio, de um dia tão silêncioso, que já estava quebrado...

quinta-feira, 6 de março de 2008

eu não conheço são paulo...

santo que não sei ao menos se algum dia milagre fez...dizem ser enorme, que em tamanho poderia ser considerado grande metrópole, mas eu, como grão de gente nesse mar, nunca sei se poderei chegar a conhecer...ver de perto seus milagres e suas dores...andar sob sua roupa infinitamente cinza...roupa cor de céu...céu das grandes cidade, que nunca se abre em azul, que nunca...eu, grão de gente, quase areia, que escorre pelas mãos desses gigantes, que corre como tempo fluindo em ampulheta, eu, ser tão pequeno, misturado aos demais pequenos grandes homens...tem uns santos que eu rezo, mas são paulo...eu não conheço são paulo...

quarta-feira, 5 de março de 2008

os pés...

quando nossos pés saem do chão...
o que mais pode nos tocar...
quando eles mesmos já não tocam o solo...
o que lhes pode segurar...
imensidão de azul solar...
imensidão de tantos pés...
quando a estrada de caminhada...
não é marrom e sim azul solar...
os passos me parece que se tornam sonhos...
não se caminha, se flutua...

terça-feira, 4 de março de 2008

vontade...

as horas em que não se pode controlar, mas se controla...essa
vontade que vem de nada, por nada, essa vontade de você...escrevo, apago, pego,
te largo...essas vontades que sempre vem acompanhadas, essas vontades...me
reviro pelos quatro cantos, já banhada de suor...me reviro do avesso e a vontade
não sai...essa vontade de querer o que não se pode ter, essa vontade de ter
justo quando não se pode...essa vontade de você...

LERÊ...LERÊ...

todo dia ela fazia sempre igual,
agora não faz mais,
todo dia ela acorda sem saber,
que já se foi o carnaval...

segunda-feira, 3 de março de 2008

ou
você
persegue
seus
sonhos
...
ou
noite
dessas
eles
vão
te
perseguir
...